• White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon
Ministério Internacional da Restauração em Porto Velho/RO.

Av. Elias Gorayeb, 1493, Bairro N. S. das Graças | CEP.: 76.804-144

secretaria@mir12ro.com | (69) 3229-9009 | 9 9914-2093

 

Departamento de Comunicação

midia@mir12ro.com | (69) 9 9381-3750

© Copyright 2019 | Ministério Internacional da Restauração em Porto Velho / RO. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por: Departamento de Comunicação MIR.

09.01.2017

 

Dentre tudo que Jesus realizou quando veio ao mundo, pode-se mencionar que ele recuperou um domínio. Domínio esse que anos atrás foi dado ao homem, Adão, e que este perdera.

 

Convinha que fosse Deus (convinha, logo, ele não era obrigado, mas o fez) a entregar seu filho como propiciação dos pecados para um domínio perfeito, para a glorificação dos Seus (Hb 2:10).

 

Jesus era o Verbo, a Palavra em ação, e estava com Deus desde o início da criação: "Haja luz"! "Haja separação entre águas e águas"! etc. Não sei em qual idioma Deus Pai proferiu tais palavras. Não sei que som isso reverberou. Mas sei que Ele, o Cristo, estava aí nesse meio. No meio da frase, no ato.

 

Sofrimento que aperfeiçoa

 

A criação, então, perdeu as rédeas daquilo que lhe foi conferido.

Portanto, a Bíblia nos mostra que a Jesus foi dada a tarefa de vir em carne, para que nele fosse APERFEIÇOADO o Autor da nossa salvação (Hb 2:10). Sim! Pode parecer estranho, mas a própria palavra veio falar conosco; Deus não poderia ser mais claro.

Foi, portanto, aperfeiçoado o Autor da nossa salvação, e isso por meio do  s o f r i m e n t o.

 

Ele literalmente, totalmente, grandiosamente, nos salvou! Salvou-nos da nossa "desandada" lá em Adão, quando perdemos o domínio das coisas. Salvou-nos além da semeadura, a qual já carrega em si uma colheita infeliz: não fazer o que Deus ordenou, desobedecer, já é terrível! Mas, além disso, a consequência de se tornar escravo do pecado e agradar o inimigo de nossas almas. Ficar dia após dia mais distante de Deus, da sua imagem e semelhança.

São MUITAS consequências. Sérias e graves. Tanto que hoje muitos de nós parecemos não nos darmos conta, não sentirmos essa falta - da essência inicial -  ou não sabermos do que sentimos falta.

Cada dia mais distantes, enquanto humanidade.

 

Não é à toa que lá na frente, após sua morte, ressurreição e ascensão, Jesus é mencionado como "o segundo Adão", algo que aponta para a imensidão do plano da salvação.

 

Um domínio perfeito

 

Hoje nós sabemos que sob o domínio de Jesus tudo está.

 

Há um reinado, que nós podemos não visualizar com os olhos naturais agora, o qual não se restringe a ouro, prata ou status e prestígio. Um Rei que dá a vida por seu povo. Pelo fruto dele mesmo. Por mim e por você. Esse reinado não visualizado, porém um dia contemplado por todos, pertence a Jesus Cristo.

E se crermos no domínio daquele que obedeceu o Pai e o confessarmos, nós, os resgatados, os errantes, faremos parte, sendo co-herdeiros daquele que é perfeito (Rm 8:17). Do filho perfeito. Nascendo de novo, agora, não de semente corruptível (natural, do homem caído), mas incorruptível (espiritual).

 

Em meio a tantos erros e pecados, desde a criação até os dias de hoje, é difícil acreditarmos na bondade de alguém (que de fato não existe). Mas Deus é bom (Lc 18:19)! Creiamos nesse domínio perfeito.

 

Não mais somos apenas fruto do pecado, não mais somos "filhos de Adão", mas em Cristo somos adotados filhos do próprio Deus.

 

A nós, cabe que, assim como o apóstolo Paulo (e tantos outros), consolidemos uns aos outros, apegando-nos firmemente nessa Verdade, lembrando que o sofrimento foi o meio pelo qual o Filho do Homem foi aperfeiçoado - seria, portanto, diferente conosco? - e tendo a consciência de que aquele que morreu e ressuscitou é plenamente capaz de obter domínio sobre tudo.

 

Alegremo-nos e estejamos confortados, pela certeza de que, ao Jesus entrar em nossas vidas, numa visão de eternidade, já podemos vivenciar esse governo divino!

 

Que alívio!

Que tamanha bênção e salvação!

 

Graça e Paz!

COLUNISTAS | JANAÍNA PEREIRA

Domínio perfeito, pelo autor aperfeiçoado