• White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon
Ministério Internacional da Restauração em Porto Velho/RO.

Av. Elias Gorayeb, 1493, Bairro N. S. das Graças | CEP.: 76.804-144

secretaria@mir12ro.com | (69) 3229-9009 | 9 9914-2093

 

Departamento de Comunicação

midia@mir12ro.com | (69) 9 9381-3750

© Copyright 2019 | Ministério Internacional da Restauração em Porto Velho / RO. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por: Departamento de Comunicação MIR.

19.08.2019  15h45

8 momentos que comprovam que esse foi o melhor aniversário do MIR

Separamos os momentos mais especiais dos três dias de celebração, e realmente, participamos da melhor festa!

Redação MIR

Nesse fim de semana, celebramos três dias de comemoração dos 24 anos de MIR em Porto Velho. Uau! Que festa. Separamos 8 momentos que comprovam que participamos da melhor festa até agora.

1. O teatro da abertura
 

Com direção de Raul Beleza, a peça abordou a atuação do diabo em apagar a chama do Espírito Santo quando a Igreja não é unida, e do poder ressuscitador que o Consolador manifesta quando clamamos. A chama era representada por velas, e os atores que representavam a Igreja tinham suas chamas apagadas pelo inimigo. Quando a igreja clamou, o Espírito Santo se manifestou, reacendeu as velas e uniu a Igreja. Por estarem conectados, quando o diabo apagava uma vela, o outro irmão ajudava a reacender com sua vela. Quem estava presente sabe: foi céu na terra!

2. O ato profético das velas

 

Ainda na sexta-feira, como uma extensão do teatro, velas foram entregues a todos os presentes no templo. Quando o Espírito Santo entrou, as velas dos restaurenses foram acesas. O ator que representava o diabo tentou apagar algumas velas dos espectadores, mas sempre a pessoa do lado acendia com sua vela. Foi um teatro com participação do público, além de um ato profético que falou no Reino do Espírito. Ainda estamos impactados!

3. O ato profético dos 12 reais

 

O número 12 fala de governo, e a oferta foi voltada para isso: cumprir propósitos e de servir a Deus. Foi uma oferta específica pelo nosso chamado, ministério, pela forma como servimos a Deus. Foi voltada para uma devolução simbólica a Deus e que sinalizava nossas características de líderes, discípulos e servos. Todos foram a frente e receberam uma bênção específica, proferida pelo Apóstolo Gustavo.

4. Os vocais trainees

 

Durante o louvor do último dia, os alunos que treinam para entrar no backing vocal do MIR fizeram uma participação especial. Cantando a música "Sou casa", de Elizeu Alves, os trainees puderam ter contato com o altar pela primeira vez. Foi especial.

5. O coral

 

Como já é tradicional em todas as datas especiais, a equipe do coral Barak, regido por Sandra Garcia, fez duas apresentações: uma no sábado, cantando o Salmo 23 à capella, e no domingo, com Hava Nagila e o hino de Israel.

6. O flashback de músicas marcantes

 

Ainda no último dia, a equipe de louvor se empenhou em escolher algumas das músicas que marcaram os cultos. Foram quatro blocos: celebrações (Muralhas, Se tiveres fé, Our God e Alabemos), messiânicas (Casa de Israel, Roni Roni, Mashiach, Baruch Adonai e Adonai Machasenu), adorações (É tempo, Menina dos Teus olhos, Deus de pactos, Eu creio em milagres e Restaura o Teu altar) e Gilmar Britto (Pérola, Filho do Homem, Majestade Santa e Glória). Foram 25 minutos para relembrar de grandes momentos da nossa história.

7. As ministrações

 

Na noite de abertura, Apóstolo Gustavo falou sobre a atuação do Espírito Santo em nossas vidas, e que o diabo só consegue agir quando não há lugar para o Espírito Santo em nós. Falou sobre a estratégia que o inimigo usa para dividir a igreja: a murmuração, e que muitos reclamam, porém nada fazem para gerar mudança e transformação no que enxergaram estar errado. "Devemos aprender a enxergar através da ótica divina. Não há problema em ver erros. O problema é o que você faz: murmura e vai embora ou se posiciona para mudar o contexto e fazer a diferença?", disse.

Na segunda noite a palavra ficou por conta da Apóstola Keyla, que falou sobre o poder dos sonhos. Foi um momento para refletirmos a respeito da importância de sonhar, e que ao mesmo tempo devemos estar alinhados com os sonhos e os desejos dAquele ao qual nós servimos. "Morremos quando paramos de sonhar".

8. O monólogo de encerramento

A festa encerrou com um elemento especial da programação: um monólogo sobre agradecer. Com roteiro e interpretação de Maílson Lima, o texto girou em torno do significado da palavra 'Obrigado' em diversos idiomas, de seu significado simbólico para algumas comunidades e da grandeza em agradecer por todos aqueles que fazem do MIR a igreja que é hoje. Foi um agradecimento a todos: os que estão, os que já nos deixaram, os que servem... Confira as melhores frases:

"E você pode me perguntar: porquê? Por que nós servimos? Por que fazemos o que fazemos? Porque é a maneira que encontramos de ser as mãos de Deus."

"Enquanto servimos uns aos outros com os dons que nos foram dados, criamos conexões que nos unem."

"Nós deveríamos ultrapassar um ao outro em servir um ao outro. Não como uma competição. Não! É um desafio de estímulo, de imitação. Nós estamos seguindo o exemplo da nossa inspiração, Jesus. Aquele que enfrentou tudo, deu tudo e serviu a todos nós até a morte."

"Dizer obrigado a todos os líderes que dedicam seu tempo para cuidar de vidas e pregar o evangelho, dizer obrigado aos voluntários de todos os departamentos da Igreja, dizer obrigado a vocês que estão aqui, que chegam cedo, que honram cada programação que nós preparamos, dizer obrigado aos apóstolos que também dedicam duas décadas de suas vidas ao nosso favor, é muito mais do que uma cortesia comum. É uma troca profunda que diz: 'Eu vou lembrar o que você fez por mim. Vou lembrar o que você fez para se conectar e servir a nossa igreja. Vou lembrar o que você fez para seguir o exemplo de Jesus.' Muito obrigado a todos!"